O Ministério da Cultura (MinC), por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), homologou nesta quarta-feira (6) o tombamento do Conjunto Histórico do Arquipélago de Fernando de Noronha, em Pernambuco. Com a decisão, as fortificações e o conjunto urbano da Vila dos Remédios, incluindo algumas de suas edificações históricas, passam a ser Patrimônio Cultural do Brasil.

Para o ministro da Cultura, Sérgio Sá Leitão, responsável pelo ato de homologação, o tombamento é fundamental para assegurar a proteção do conjunto. “Mais do que um reconhecimento, é uma medida que visa preservar e promover uma região importante do ponto de vista histórico, cultural, ambiental e turístico. Caberá ao Iphan zelar pelo tombamento. Viva Fernando de Noronha!”, comemorou.

Integram o Conjunto Histórico do Arquipélago de Fernando de Noronha o Sistema Fortificado, composto pelos Fortins de Santo Antônio, de Nossa Senhora da Conceição, de São Pedro do Boldró e o Reduto de Santana; o Conjunto Urbano da Vila dos Remédios, incluindo a vila ou colônia prisional e o centro urbano do povoamento da ilha; além dos seguintes bens isolados: Vila da Quixabá, capela de São Pedro dos Pescadores, prédio da Air Francee um testemunho da presença Americana na Ilha – “iglu” da Vila dos Americanos.

A homologação efetiva a inclusão das obras no Livro do Tombo – inscrição definitiva de um bem – e assegura o reconhecimento de seu valor histórico e cultural. Aprovado pelo Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural no dia 22 de junho deste ano, o tombamento do Conjunto Histórico de Noronha marcou o fim de um longo processo de identificação dos bens notáveis feita por meio de um diálogo conduzido pelo Iphan com a comunidade do arquipélago. Além de representar um marco importante nas comemorações dos 80 anos do Iphan.

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cultura

 

Você precisa se cadastrar para participar